Sete características do mercado brasileiro de TI

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro), em conjunto com a Federação Iberoamericana de Entidades de Tecnologia da Informação e Comunicação (Aleti), divulgaram dados do Censo de TI de 2015.

A quarta edição do estudo reuniu respostas de 950 empresas, de 23 países – espalhadas por quatro continentes. As companhias brasileiras correspondem a 55% do total da amostra, o que permitiu uma comparação do cenário local em âmbito regional e global. Veja as sete descobertas do setor no país.

1. Empresas maduras compõem o mercado de TI
Em um setor que valoriza startups, são as empresas maduras que compõem grande parte do mercado de tecnologia da informação: 55% das empresas foram fundadas ainda no século 20, ou seja, possuem mais de 15 anos de atuação na área. No Brasil, este número é um pouco maior: 60% estão nesta categoria.

2. Caiu o número de empresas com crescimento no faturamento
Na pesquisa, 67% das companhias registraram aumento nas receitas em 2015, um índice dez pontos percentuais menor do que o obtido no ano anterior. O Brasil acompanha a tendência ruim do exterior: apenas 59% das empresas registraram crescimento em 2015 – no levantamento anterior, este número era de 77%. Além disso, 20% responderam que ficaram estagnados no ano passado.

3. Poucos colaboradores foram contratados
Em 2015, 57% das empresas participantes do Censo contrataram até oito funcionários, enquanto 12% não aumentaram o quadro de empregados. Se levarmos apenas as empresas brasileiras, os números são semelhantes: 58% dos entrevistados contrataram até oito pessoas, enquanto que 15% não fizeram uma aquisição sequer no mercado de trabalho.

4. Contratações cobriram desligamentos de funcionários
As contratações foram feitas apenas para repor mão de obra. No geral, 28% das organizações não variaram na força de trabalho e outras 15% tiveram um incremento de até 10% no total de colaboradores. No Brasil, o índice é alarmante: 31% das empresas registraram mais demissões do que contratações e mais 30% ficaram estáveis nesse quesito.

5. Exportação ganha espaço
É um movimento tímido, mas as exportações começam a ganhar espaço nas empresas participantes do Censo da Assespro Nacional. No total, a grande maioria ainda não vende para o mercado externo (56%), mas o índice é menor do que o obtido em 2014 (64%). O mesmo fenômeno também acontece com as companhias brasileiras: 79% delas não exportaram em 2015, mas é um número quatro pontos percentuais menor do que 2014.

6. Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento também ganha espaço
As empresas ainda investem pouco em Pesquisa e Desenvolvimento. No levantamento geral do Censo, 20% admitiram que não realizam este investimento – em contrapartida, 32% começaram a investir até 2% do faturamento na área. No Brasil, os índices são semelhantes: 24% não fazem aporte em P&D, mas três em cada dez companhias destinam até 2% das receitas para este setor.

7. Empresas brasileiras não realizam inovação agressiva
Quando o assunto é inovação agressiva (desenvolvimento de soluções que tenham apelo para o consumidor), o Brasil ainda está atrás de outros países analisados. Um quarto das empresas nacionais confirmou que não tem este tipo de estratégia e apenas 17% afirmaram adotar de forma contínua ou frequente. No total do Censo, 21% das empresas não adotam inovação agressiva e 21% confirmaram que utilizam constantemente essa tática.

Fonte: Fenainfo

Publicado em: 27/07/2016 08:00:00

Facebook Twitter Google Plus LinkedIn Whatsapp

Notícias

Ellevo e Renew Solutions firmam parceria para projetos de robotização

Ellevo e Renew Solutions firmam parceria para projetos de robotização

Integração auxilia empresas no processo de transformação digital

PESQUISA DE REMUNERAÇÃO DO SETOR DE TI NACIONAL - EDIÇÃO 2019

PESQUISA DE REMUNERAÇÃO DO SETOR DE TI NACIONAL - EDIÇÃO 2019

O Seprosc e a SinSalarial o convidam para participar da mais completa Pesquisa Salarial do Setor de Tecnologia no Brasil.

GOVBR Disponibiliza Software para o preenchimento do SIOPS 2019

GOVBR Disponibiliza Software para o preenchimento do SIOPS 2019

Prefeituras que não cumprirem os prazos podem ter suspenso o repasse de recursos da União

Evento gratuito vai discutir benefícios e aplicações de Centros de Serviços Compartilhados

Evento gratuito vai discutir benefícios e aplicações de Centros de Serviços Compartilhados

Programação realizada pela Ellevo terá palestra de Carlos Magalhães, autor de um dos principais livros sobre o tema. O Shared Service Talks trará ainda painel com executivos de empresas como Compass/GRSA, Bunge e Energisa

WK Sistemas lança programa de estágio para setor de Suporte

WK Sistemas lança programa de estágio para setor de Suporte

Inscrições já estão abertas e, além de formação remunerada, projeto oferece oportunidade de contratação no final do curso

Três formas de usar a tecnologia no terceiro setor para conquistar recursos

Três formas de usar a tecnologia no terceiro setor para conquistar recursos

O especialista no assunto elencou três formas de usar a tecnologia no terceiro setor e garantir os recursos financeiros necessários para desenvolver e manter as atividades funcionando. Confira:

Prefeitura sem papel

Prefeitura sem papel

Sistemas em nuvem otimizam tempo, garantem segurança de informações e agilizam processos em órgãos públicos

Remuneração no segmento de tecnologia

Remuneração no segmento de tecnologia

Práticas e tendências em Santa Catarina (2018)

Fácil aplica Inteligência Artificial na gestão jurídica

Fácil aplica Inteligência Artificial na gestão jurídica

Empresa desenvolve o Parker, ferramental próprio de aprendizado de máquina

Receba as novidades em seu e-mail!



Agenda Seprosc

Agenda Eventos